Dicas de networking para pesquisadores

network-eventÀ proporção em que o número de pesquisadores que possui ou está no cursando o mestrado ou doutorado aumenta, circular entre as pessoas do meio torna-se cada vez mais importante para estar a par das novidades e para promover a própria pesquisa. Por isso, embora a noção de fazer networking não seja tão comumente usada na academia, saber como expandir o próprio círculo profissional pode ser um importante diferencial na trajetória do pesquisador. Mas não se preocupe caso você não tenha esta habilidade: com um pouco de dedicação é possível desenvolvê-la e fazê-la trabalhar em seu benefício.

Fazendo novos amigos

O segredo de tudo é a sua postura. Se você achar que ampliar seu círculo de contatos profissionais é uma obrigação ou uma pressão, dificilmente vai conseguir conversar com as pessoas de forma natural e não conseguirá atingir seu objetivo. Ao invés disso, aproxime-se das pessoas com a simpatia e disponibilidade de quem pretende fazer novos amigos – e isso realmente pode se tornar verdade. Essas pessoas não necessariamente se tornarão amigos íntimos, mas ainda que o contato seja só de cunho profissional e até mesmo apenas pontual, não quer dizer que não possa ser agradável e amigável. Não se esqueça também de estreitar laços quando reencontrar estas pessoas em outras oportunidades, especialmente se houver pontos de afinidade profissional entre vocês. Outra forma de fazer isso é trocar e-mails e manter contato virtualmente até mesmo em comunidades virtuais como Facebook, Twitter e LinkedIn. E ainda comunidades na área de pesquisa acadêmica, Research Gate e Kudos.

Conferências são só o começo

Conferências certamente oferecem um contexto privilegiado para fazer networking acadêmico. Isso porque nelas você tem a oportunidade de conhecer melhor o trabalho das pessoas e usar este ponto como um gancho para conversar com elas posteriomente. Mas você não precisa se ater apenas a conferências para expandir seu círculo profissional. Grupos de pesquisa, grupos de discussão presenciais ou virtuais, cursos e workshops acadêmicos são ótimos espaços para conhecer pesquisadores que tenham interesses semelhantes aos seus e possam até vir a ser parceiros em futuros projetos. Para descobrir informações sobre estas atividades, uma boa dica é consultar colegas do doutorado e se informar se algum deles já participa de algum grupo ou sabe de cursos que possam lhe interessar.

Dicas para “quebrar o gelo”

Mas afinal, por onde começar? Abordar um estranho e iniciar uma conversa não é uma ação muito fácil para a maioria das pessoas e chega a ser bastante intimidante. Uma estratégia que pode ajudar é preparar-se com antecedência, tendo em mente o que pretende dizer à pessoa quando abordá-la. Para diminuir a tensão, você pode simplesmente sentar ao lado de um pesquisador com quem tenha interesse em conversar durante um evento, curso ou reunião de grupo e aguardar uma oportunidade para abordar a pessoa. Cumprimentar organizadores e conferencistas em eventos também é uma boa forma de fazer novos contatos e saber mais sobre o circuito de conferências da área. De todo modo, sempre que abordar alguém para fazer networking não esqueça de se apresentar e de demonstrar conhecimento sobre o trabalho da pessoa.

Vantagens

Você já deve ter notado que fazer networking dá trabalho e pode estar se perguntando para quê tanto esforço numa atividade que parece tão mais apropriada ao mundo dos negócios. Acontece que em muitas áreas profissionais novos contatos abrem portas a novas oportunidades, e isso vale para a academia. Ser mais conhecido aumenta o interesse das pessoas por sua pesquisa e suas chances de ser recomendado para novas atividades, o que pode resultar no aumento de sua credibilidade em sua área. Obviamente, nada substitui a competência do pesquisador e um bom trabalho de pesquisa, mas ter muitos contatos aumenta o alcance de sua pesquisa, algo importante para que seus artigos sejam citados e assim seu trabalho adquira relevância. Além disso, novas interlocuções só têm lhe favorecer, diversificando seus pontos de vista e enriquecendo seu trabalho.

Anterior
Como o bibliotecário pode dar suporte para sua pesquisa
Próximo
Como utilizar o Twitter academicamente

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *