O Google acadêmico é mesmo útil?

google_acadO Google Scholar – cuja versão em português é o Google Acadêmico – é a ferramenta do Google lançada em 2004 como uma grande promessa para agilizar a busca acadêmica de conteúdo no amplo universo de busca do Google. Inicialmente pensou-se que o Google Scholar teria no universo acadêmico o mesmo alcance que o Google tem para o “mundo comum”, acessando bancos de dados do mais variados, porém a ferramenta mostrou-se muito mais limitada do que se poderia imaginar neste sentido. E ainda que o Google Scholar tenha sido aperfeiçoado desde seu lançamento quanto a seu alcance e funcionalidades, fica a pergunta: pode-se confiar nesta ferramenta para indicar conteúdo acadêmico de qualidade sistematicamente?

Reclamações de usuários e frustrações

A resposta à pergunta acima ainda pende mais para o não que para o sim, mesmo após mais de uma década do lançamento do Google Scholar. As reclamações em relação são muitas e podem ser classificadas de acordo à qualificação acadêmica do pesquisador que recorre à ferramenta:

Estudantes geralmente reclamam de um problema fácil de ser percebido quanto à variedade do conteúdo disponibilizado pelo Google Scholar: a dominância de conteúdo referente às Ciências Naturais em detrimento de conteúdo sobre Ciências Humanas.

Bibibliotecários costumam se frustrar com a atual incapacidade da ferramenta para filtrar material de periódicos acadêmicos predatórios (que publicam qualquer conteúdo mediante pagamento de taxa de inscrição) e conteúdo do tipo livre-acesso. O Google Scholar também não distingue, muitas das vezes, periódicos acadêmicos que adotam o método de avaliação por pares daqueles que não adotam, um aspecto muito importante para definir a credibilidade dos periódicos.

Pesquisadores acadêmicos, classe que geralmente se utiliza de ferramentas de busca – como a busca do Google – para explorar novos conteúdos e verificar dados, reclamam que a busca acadêmica no Google Scholar é realmente eficaz quando já se tem em mente o que se procura antes de iniciar uma pesquisa. Porém, para os que estão iniciando a coleta de informações para uma nova pesquisa, a ferramenta deixa a desejar em revisões bibliográficas mais aprofundadas.

Uma queixa comum que pode acometer tanto estudantes quanto pesquisadores é em relação aos que buscam versões completas de artigos e outros trabalhos acadêmicos. O Google Scholar indica a existência de fontes, mas não expõem de antemão aquelas que estão acessíveis na íntegra. Outro problema quanto a isso se dá em relação à multiplicidade de fontes que a ferramenta apresenta, tornando às vezes difícil saber se a versão disponível online é a final ou rascunhos de pré-publicação.

Entendendo a ferramenta para obter melhores resultados

Assim como todas as ferramentas digitais disponíveis, sejam acadêmicas ou não, a melhor forma de lidar com o Google Scholar é conhecendo suas particularidades – em especial, suas limitações – para saber como obter o melhor dele. O principal conselho ao se lidar com o Google Acadêmico é ter cautela em relação ao conteúdo que aparece como resultado das buscas. O Google Scholar faz parte do Google, logo, o mecanismo de busca utilizado é o mesmo, o que implica dizer que muitas fontes que aparecem bem rankeadas podem não se relacionar exatamente com o que você busca e também nem sempre são exatamente acadêmicas.

É preciso ter cuidado principalmente porque, como já foi dito, esta ferramenta não filtra periódicos acadêmicos predatórios nem fontes que podem ser classificadas como pseudocientíficas – que se utilizam aparentemente do método científico em seus textos ou adotam um tom científico, mas não possuem nenhum respaldo acadêmico verdadeiro nem fontes confiáveis. Uma possibilidade de verificar a idoneidade das fontes é oferecida pela própria ferramenta, que permite ver quais outras fontes citaram os conteúdos apresentados pela busca.

O Google Scholar pode ser particularmente útil para os que estão em processo inicial de levantamento de fontes e precisam se informar sobre conteúdos básicos referentes ao tema da pesquisa, algo como as buscas feitas no sistema Wikipedia. Para este fim, é possível salvar fontes encontradas na própria ferramenta através da funcionalidade “Minha Biblioteca”, e através da funcionalidade “Alertas” é possível programar que o Google Scholar lhe avise quando novos conteúdos referentes ao tema de seus interesses de pesquisa forem disponibilizados. O Google Scholar também é muito útil para pesquisadores autores que desejam saber quem cita seus trabalhos através da funcionalidade “Minhas Citações”.

Sabendo exatamente o que se deseja do Google Scholar e tendo em mente as limitações da ferramenta, ela pode ser usada sem maiores preocupações e ser inclusive muito útil, apesar da frustração daqueles que esperavam muito mais do Google para acadêmicos…

Anterior
As consequências de uma pesquisa falha
Próximo
Administrando o excesso de informação

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *