Como evitar problemas éticos em sua pesquisa?

etica_EnagoA questão da ética na pesquisa se faz presente em todas as frentes do fazer científico, visto que é necessário rigor para garantir a idoneidade dos resultados obtidos e justeza da relação com os pares. A questão torna-se mais complexa, no entanto, quando a pesquisa envolve trabalho de campo. Isso ocorre porque o trabalho de campo implica numa interação direta do pesquisador com fontes externas diversas, aumentando a probabilidade de que um problema ético possa se insinuar dado o grande número de variáveis em questão a serem controladas. Neste contexto, o pesquisador muitas vezes é guiado pelos princípios éticos da confidencialidade, anonimato e imparcialidade, mas como garanti-los na prática? Veja na sequência algumas dicas para evitar que seu trabalho de pesquisa seja acusado de apresentar um problema ético.

1) Informe-se – Certamente há diretrizes sobre ética na pesquisa difundidas e defendidas em sua área de conhecimento, em seu curso de pós-graduação ou por seu orientador. Para informa-se sobre as mesmas, além de consultar fontes próximas procure observar e guiar-se pelas diretrizes utilizadas por pesquisadores que são referência em sua área.  Ainda que o tema de seu trabalho de pesquisa seja recente, certamente algum outro pesquisador já tentou desenvolver algo similar e a metodologia utilizada por ele ou outros poderá ser um bom ponto de partida para você.

2) Seja neutro na coleta de informações – Você terá o momento de interpretar e analisar os dados que coletou, mas no momento da coleta procure não induzir respostas nem subentendê-las. Lembre-se que este momento inicial é de descoberta e não de tirar conclusões, uma vez que isso pode levá-lo a impressões pré-concebidas, o que compromete a relevância de seu trabalho.

3) Compile e transcreva seu próprio material para evitar conflito de interesses – Se a pesquisa estiver sendo conduzida apenas por você, não delegue a terceiros o trabalho de compilação e transcrição do material coletado, especialmente no caso de fontes nominalmente identificadas. Isso evitará que um possível problema ético possa surgir entre o material colhido junto às fontes e o colega a quem você solicitou ajuda.

4) Seja imparcial em todo o processo – Isso vale não apenas para a fase de coleta de informações, como também para a fase de análise das mesmas. Ao analisar as informações colhidas não se esquive de apresentar dados ou depoimentos coletados para evitar polêmicas e procure contextualizá-las em seu trabalho de pesquisa de modo a enriquecê-lo.

5) O recorte é inédito mesmo? – Verifique se alguma pesquisa semelhante já foi feita anteriormente com o grupo de análise de sua pesquisa de campo para que, em caso positivo, você possa esclarecer isso em seu trabalho de pesquisa e assim evitar possíveis alegações de plágio ou outro tipo de problema ético. Também é importante nestes casos esclarecer de que modo seu trabalho se diferencia de outros que já tenham sido feitos com recorte e método similares.

6) Não utilize depoimentos não autorizados por escrito – Ainda que o entrevistado tenha autorizado verbalmente a publicação em seu nome e você apenas tenha esquecido de registrar a assinatura, convém não arriscar. Ocorrendo isso, procure o entrevistado para registrar a permissão do mesmo, uma vez que a questão da autorização é algo bem delicado no âmbito da ética na pesquisa. Isso não significa dizer, porém, que você deva simplesmente jogar suas fontes no anonimato para evitar um possível problema ético; em se tratando de uma coleta de  dados de uma pesquisa de caráter qualitativo (como depoimentos), a identificação dos depoentes é fundamental para dar credibilidade aos resultados de seu trabalho de pesquisa, por isso, seja rigoroso com as diretrizes éticas para obter resultados satisfatórios e confiáveis.

Anterior
Como desenvolver voz própria na escrita acadêmica?
Próximo
Transformando Nomes de Autores em Números – Impactos da Orcid

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *