Como se preparar para uma entrevista acadêmica?

Entrevista_Academica_EnagoUma parte substancial da vida de um acadêmico consiste em fazer entrevistas de seleção, o que pode soar bastante assustador – especialmente para os mais tímidos -, mas não precisa ser assim. Para começar, uma entrevista acadêmica é semelhante a uma seleção para qualquer outro posto profissional, só que a com a vantagem específica de demandar muito mais informações sobre a trajetória prévia do pesquisador, uma vez que tendem a valorizar mais a especialidade que a generalidade. A vantagem disso é que, para preparar-se bem para uma entrevista acadêmica, basta que o pesquisador se aperfeiçoe em apresentar bem a própria trajetória profissional e projeto de pesquisa em questão na seleção, habilidade que pode ser aprimorada ao se pensar respostas estruturadas para as questões apresentadas a seguir.

Qual o seu melhor trabalho de pesquisa até aqui?

Seu melhor trabalho de pesquisa pode ser sua tese, uma publicação em livro, seu artigo mais citado ou publicado num periódico de alto conceito, ou até mesmo um material menos expressivo que represente um ponto de corte importante em sua trajetória como pesquisador. O importante sobre esta resposta é que tê-la bem estruturada indica que você tem uma consciência reflexiva sobre sua carreira e não simplesmente trabalha “no automático”. Se for o caso, enfatize também de que modo o trabalho citado dialoga com seu atual momento e com a posição almejada.

O que determinou o recorte de sua pesquisa?

No final da reflexão sobre esta pergunta você pode até concluir que o fator conclusivo para que sua pesquisa tivesse determinado recorte em detrimento de outro e explorasse uma determinada metodologia em particular tenha sido uma inclinação pessoal (especialmente se você se localizar na área das Ciências Humanas), mas não se esqueça que esta inclinação teve que ser guiada teoricamente e isso pressupõe linhas de raciocínio complexas. Ao responder esta pergunta num processo de seleção, procure então valorizar de que modo seu recorte e metodologia contribuem de forma diferenciada à compreensão das principais questões de sua pesquisa quando comparados a outras abordagens.

Como seu trabalho se encaixa nas diretrizes do programa pleiteado?

Seja numa seleção para entrada num programa de pós-graduação ou para compor o corpo docente de uma instituição, é fundamental saber responder a esta pergunta numa entrevista acadêmica, afinal, você poderia ter escolhido qualquer outra instituição para pleitear uma posição. Ter a resposta a esta pergunta é inclusive pessoalmente importante para que você construa um plano de carreira lógico, pesando que instituições agregarão mais qualidade à sua trajetória como pesquisador e docente, permitindo que você ofereça contribuições relevantes e se destaque profissionalmente.

Quais são seus planos a médio prazo?

Sendo o meio acadêmico um nicho profissional de direcionamento preciso – o ensino e a pesquisa – a pergunta parece meio banal, já que se pressupõe que a resposta para todos seja em última instância alcançar uma posição estável no corpo docente de uma instituição e imergir no universo da pesquisa na mesma. Porém, assim como num projeto de pesquisa, tão ou mais importante quanto dizer onde se pretende chegar é definir como se pretende alcançar estes objetivos. Até que você alcance seu objetivo final, quais são as metas intermediárias? Qual sua estratégia para alcançá-las?

Por que você deseja esta posição?

Esta é mais uma pergunta que parece simplória, mas cuja resposta não pode ser titubeante. É fundamental deixar claro numa entrevista acadêmica não só de que modo você acredita que poderá amadurecer profissionalmente na instituição, mas também de que forma você pretende contribuir para o crescimento da mesma. Para expressar isso, procure pensar como suas experiências prévias demonstram sua capacidade de engajamento institucional e capacidade de trabalho coletivo, e de que modo seus objetivos futuros estão alinhados com as diretrizes da instituição em questão.

Anterior
Transformando Nomes de Autores em Números – Impactos da Orcid
Próximo
Storyteling na Academia: Reduzindo riscos na narrativa da pesquisa

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *