Como escolher o formato de arquivo correto para seus artigos científicos

06 February 2013  |  Postado em Mundo Editorial Científico   |  Sem Comentário  |  Faça um Comentário

Atualmente, para que um artigo seja aceito em um periódico, não basta apenas a escrita correta, mas também a formatação e adequação do mesmo às regras estabelecidas pelo periódico escolhido. Entretanto, esse não é o único cuidado que o pesquisador deve tomar. Ao enviar seu artigo para avaliação, também é de extrema importância a escolha do formato de arquivo no qual a pesquisa será salva e enviada. Há diversos formatos e ferramentas as quais o pesquisador deve conhecer e se familiarizar antes de enviar seu artigo.

Primeiramente, o formato mais conhecido e usado é o oferecido pelo Microsoft Word. Este é um programa de edição de textos reconhecido como o principal na criação e edição de documentos. Apesar disso, muitos usuários ainda desconhecem todos os seus recursos. Ferramentas que podem facilitar a organização do texto, como gráficos e colunas, ainda são desconhecidas do pesquisador.

Em seguida, outro programa muito utilizado é o Adobe Acrobat. Através dele é possível a criação de documentos em PDF de alta qualidade. O formato Adobe PDF (sigla para Portable Document Format) permite que o usuário compartilhe documentos com outras pessoas, independente do software originalmente usado para criar o arquivo. Além disso, o Adobe Acrobat permite que o usuário proteja o seu trabalho de cópias e até de impressão, ferramenta altamente usada por pesquisadores em teses e dissertações. Desde documentos que necessitam de alta segurança, até documentos ilustrados, o Adobe Acrobat permite ao usuário a criação de documentos leves e de alta qualidade para a impressão e distribuição eletrônica. Entretanto, muitas pessoas utilizam este software apenas para a leitura de arquivos em PDF, sem conhecer sua verdadeira capacidade.

Outra ferramenta muito útil, mas menos conhecida, é o Adobe InDesign. O InDesign é um software da Adobe Systems desenvolvido para a diagramação e organização de páginas, permitindo a criação de documentos em formato próprio, editável, que posteriormente pode ser exportado para PDF ou outros formatos específicos de impressão. O InDesign permite criar, diagramar, visualizar e editar materiais como revistas, jornais, anúncios, embalagens etc. Ferramenta muito útil para o pesquisador, mas menos conhecida.

Por fim, outra ferramenta não tão conhecida dos pesquisadores é o LaTeX. O LaTeX é um conjunto de macros para o processador de textos TeX, utilizado amplamente para a produção de textos matemáticos e científicos devido à sua alta qualidade tipográfica. Além disso, também é utilizado para produção de cartas pessoais, artigos e livros sobre assuntos diversos. Por ser um conjunto de macros para o TeX, o sistema LaTeX fornece ao usuário um conjunto de comandos de alto nível, sendo, dessa forma, mais fácil a sua utilização por pessoas ainda não familiarizadas com seu formato. Possui abstrações para lidar com bibliografias, citações, formatos de páginas, referência cruzada e tudo mais que não seja relacionado ao conteúdo do documento em si, ou seja, ferramenta poderosa nas mãos do pesquisador.

Como demonstrado acima, são diversas as ferramentas e formatos de arquivo que o pesquisador pode optar para melhor atender às suas necessidades. Entretanto, muitos não têm tempo de se dedicar a conhecer todas essas ferramentas de forma a utilizá-las de maneira apropriada. Por conta disso, já é possível encontrar na internet serviços de revisão de teses onde revisores de texto especializados podem, além de realizar o trabalho de revisão em si, escolher o melhor formato para seu artigo e escolher as melhores ferramentas para que ele seja aceito pelo periódico desejado.

Referências:
Anterior
Fator de Impacto e sua importância em artigos científicos
Próximo
Formatação de artigos como requisito essencial para publicação em revistas científicas

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *