17

Como escrever nomes científicos de espécies de bactérias em artigos científicos (parte 2)

A pesquisa pode já ser bastante difícil sem se preocupar em como usar com precisão a nomenclatura de micróbios ou os nomes científicos de bactérias. Escrever nomes de bactérias em um artigo de pesquisa pode ser um grande desafio para os cientistas, pois as diretrizes mudam para refletir novas descobertas. Além disso, os nomes em latim podem ser confusos. No primeiro artigo desta série, demos boas dicas sobre como escrever a nomenclatura científica dos reinos vegetal e animal. Este artigo lhe dará uma visão geral dos maiores problemas que os pesquisadores encontram ao usar a nomenclatura de micróbios e algumas dicas para manter você no caminho certo.

Como as bactérias recebem um nome científico?

O Comitê Internacional de Sistemática de Procariontes (ICSP) criou diretrizes que explicam a nomenclatura adequada para bactérias. Este sistema é conhecido como o Código Bacteriológico. Uma bactéria tem um nome binomial que consiste em duas partes: o nome do gênero ao qual ela pertence e o nome da espécie.

Ao se referir a uma bactéria em um artigo, o autor deve sublinhar ou colocar em itálico o nome no texto. Depois de escrever o nome completo de um microorganismo na primeira menção, o nome do gênero pode ser encurtado para apenas a letra maiúscula.

  • Por exemplo, Moraxella bovis pode ser escrito bovis.

O ICSP recomenda escrever por extenso o nome completo de qualquer bactéria novamente no resumo de sua publicação.

Ao discutir espécies não identificadas, a abreviatura “sp.” é usada para se referir a uma única espécie não identificada, e “spp.” escrito após um gênero se refere a mais de uma espécie não identificada.

  • Por exemplo, Moraxella seria usado para discutir uma espécie não identificada de Moraxella

As bactérias costumam ser divididas em sub-espécies, que são indicadas por subdivisões como biovar, quimioforma, quimiovar, cultivar, morfovar, patovar, sorovar e estado.

Essas subdivisões devem ser escritas em texto simples precedendo um nome adicional em itálico ou sublinhado. Por exemplo, “Rhizobium leguminosarum biovar viciae” seria corretamente escrito como Rhizobium leguminosarum biovar viciae.

Problemas comuns no uso da nomenclatura microbiana

No entanto, existem alguns problemas comuns que os pesquisadores encontram ao usar a nomenclatura microbiana. O primeiro, como você deve ter adivinhado, é que diferentes tipos de bactérias podem parecer iguais quando seus nomes são abreviados.

M. bovis poderia indicar Moraxella bovis, Mycoplasma bovis ou Mycobacterium bovis.

Neste caso, o autor deve simplesmente ter o cuidado de evitar o uso de abreviaturas, se elas puderem ser confundidas, ou de indicar claramente qual bactéria está sendo discutida.

Outras questões que os pesquisadores encontram com a nomenclatura microbiana são mais complexas. Embora o Código Bacteriológico seja frequentemente interpretado como a lista “oficial” de nomes válidos para bactérias, o Código fornece apenas diretrizes sobre como bactérias devem ser nomeadas. Isso permite que haja discordância, descobertas e evolução na pesquisa científica. Por exemplo, um grupo de pesquisadores poderia classificar uma bactéria no gênero A. Da mesma forma, outro grupo de pesquisadores poderia fazer pesquisas diferentes e concluir que a mesma bactéria pertence ao gênero B. Continuando com nosso exemplo anterior da espécie bovis, uma bactéria pode ser referida como A bovis em um artigo e B bovis em outro.

Como eu sei se a nomenclatura microbiana que estou usando é válida?

Muitos pesquisadores acreditam erroneamente que o nome publicado mais recentemente é o nome “correto”. De fato, como vimos acima, este não é o caso. Um nome deve ser publicado em um artigo no International Journal of Systematic and Evolutionary Microbiology. Também pode ser publicado em outro lugar, se for anunciado nas Listas de Validação. A nomenclatura microbiana é, em outras palavras, uma questão de julgamento científico e consenso.

Por exemplo, o nome Helicobacter pylori foi imediatamente aceito como substituto para Campylobacter pylori pela comunidade científica, enquanto Tatlockia micdadei geralmente não tem sido aceito como um substituto para Legionella micdadei.

Finalmente, o ICSP não fornece diretrizes específicas sobre como indicar níveis taxonômicos abaixo de sub-espécies, como cepas. A designação de cepas deve seguir o gênero e a espécie e geralmente é uma combinação de números e letras.

Por exemplo, você pode escrever Helicobacter pylori K164:K7, onde K164:K7 indica a linhagem específica de bactérias usada em seu trabalho.

Quando você estiver em dúvida sobre o uso correto da nomenclatura microbiana nos seus artigos, sua primeira parada deve ser o Código Internacional de Nomenclatura de Bactérias (Revisão de 1990). Mantenha-se atualizado sobre publicações relevantes em seu campo e esteja ciente de quaisquer desentendimentos ou novas descobertas sobre a classificação de bactérias. Finalmente, lembre-se que nomes válidos são uma questão de julgamento científico e consenso.

Esse artigo foi útil? Que outros problemas você já encontrou ao usar a nomenclatura microbiana em sua escrita? Conte para nós nos comentários!

Leave a Reply

avatar
  Subscribe  
Notify of