17

As três principais dicas para escrever uma boa introdução

A introdução é uma das principais seções de um artigo de pesquisa. Nesta seção, os árbitros, editores e leitores podem descobrir a respeito do que é o estudo, o que motivou o autor a realizar o estudo e por que aquele tópico de pesquisa é importante. A introdução também dá informações básicas relevantes e coloca o estudo em contexto, guiando os leitores pelo resto do manuscrito e ajudando os autores a descreverem a profundidade e os desafios do estudo.

Escrever uma boa introdução pode ser uma tarefa complicada e os autores geralmente preferem escrever essa parte do manuscrito no final do processo de elaboração — depois que eles já souberem o que o artigo conterá e como ele será estruturado — para garantir que eles não se esqueçam de nada. Estas três dicas podem ajudar os autores a escreverem uma introdução forte:

Dica 1: Defina o contexto e explique a necessidade do seu trabalho

Para começar, os autores devem dar informações gerais sobre o estudo. Devem explicar por que o trabalho é importante e quais avanços ele acrescenta ao conhecimento atual. O objetivo é criar um artigo atraente e claro que conquiste o interesse de árbitros, editores e leitores.

Para apoiar as suas reivindicações e colocar o estudo em contexto, a introdução deve incluir um resumo das publicações relevantes e atualizadas no respectivo campo de estudo. Esta (muito curta) revisão de literatura deve ser escrita de uma forma que agrade a um público amplo e explique claramente a necessidade do estudo. É aconselhável não incluir informações desnecessárias e fornecer apenas o que ajudará os leitores a entender melhor a importância do artigo.

O uso de frases como “recentemente”, “nos últimos 10 anos” ou “desde a descoberta de …” pode ajudar a ancorar o contexto no tempo. Os autores também podem colocar o seu trabalho dentro de um determinado campo de pesquisa (por exemplo, “na área biomédica, …” ou “polímeros condutores receberam muita atenção porque…”)

Os autores devem ter o cuidado de discutir o problema da forma mais clara possível. Devem começar discutindo a situação atual e, em seguida, declarar o que gostariam de alcançar, mudar ou estudar. Usar palavras como “mas”, “no entanto” ou “infelizmente” pode ajudar a enfatizar o contraste entre as situações atuais e as desejadas.

Uma forma eficaz de expressar os objetivos do estudo é combinar o problema com o que já foi feito para resolvê-lo e apresentar tudo em uma única frase. Há muitos verbos que podem ser usados para descrever o estudo (investigar, estudar, medir, projetar, analisar, desenvolver, modelar, etc.) e muitas maneiras de enfatizar a contribuição dos autores. Por exemplo:

“O material A recebeu muita atenção nos últimos anos por causa das suas propriedades óticas. No entanto, sua baixa estabilidade limitou o seu uso generalizado. Para resolver este problema, projetamos um… ”

Uma boa introdução deve também preparar os leitores para a estrutura do trabalho e definir suas expectativas em relação ao seu conteúdo. Aqui estão alguns exemplos:

“Este artigo discute a importância de…”

“Este artigo resume os nossos resultados de…”

“Esta comunicação descreve o mecanismo pelo qual…”

“Este artigo relata…”

Dica 2: Use o tom e o tempo verbal certos

Ao escreverem a introdução, os autores devem usar um tom formal e impessoal. Ao mencionarem fatos aceitos ou verdades — ou descreverem uma situação permanente — os autores podem usar o presente do indicativo; por exemplo:

“O ouro é um metal nobre…”

No entanto, ao descrever um resultado específico ou uma situação temporária, é preferível usar o pretérito do indicativo e fornecer a referência apropriada:

“Naquele estudo,[1] o ouro catalisou a reação…”

Em inglês e em alguns casos, pode ser conveniente usar o tempo presente perfeito ao abordar um problema que não foi resolvido ou examinado antes; por exemplo:

“Although the properties of the material are well known, little attention has been paid to…” (“Embora as propriedades do material sejam bem conhecidas, pouca atenção foi dada a…”)

ou

“The exact mechanism has not been reported before…” (“O mecanismo exato não foi relatado antes…”)

Dica 3: Seja organizado

Em geral, um a quatro parágrafos devem ser suficientes para a introdução, mas para explicar os conceitos ou desenvolvimentos recentes em mais detalhes, pode ser uma boa ideia colocar uma seção adicional — chamada “Estado da Arte”, “Antecedentes” ou algo semelhante — onde esses termos e/ou avanços possam ser melhor discutidos.

Um bom texto deve ser organizado logicamente. Assim, as referências incluídas na introdução devem ser apresentadas de forma que o leitor compreenda por que os autores se interessaram pelo objetivo do estudo. Isto pode ser conseguido discutindo os estudos em ordem cronológica, agrupando abordagens, teorias ou modelos, ou indo de descrições gerais para descrições específicas.

Para tornar a introdução mais compreensível, os autores podem dividi-la em quatro partes:

  • Estabelecer a importância do tópico.
  • Discutir pesquisas anteriores e/ou atuais no campo.
  • Identificar o problema e explicar a abordagem adotada para resolvê-lo.
  • Descrever brevemente o presente artigo.

Aprenda aqui a redigir uma seção de Métodos eficaz.

Leave a Reply

avatar
  Subscribe  
Notify of