17

8 tipos mais comuns de plágio para ficar longe!

O plágio, ou fazer o trabalho de outra pessoa passar como seu, não é um fenômeno novo na pesquisa. Ele ganhou maior atenção com o advento da tecnologia, que tornou mais fácil descobrir casos de plágio. Há muitos tipos de plágio já descritos. Embora nenhum grau de plágio seja aceitável, ele pode variar desde o plágio completo, o mais notório ato de fraude, até o plágio acidental.

No entanto, nem todos tipos de plágio são iguais. Ao analisar um caso de plágio, é importante determinar se ele foi intencional ou não. É por isso que estar informado sobre o plágio é um componente-chave do aprendizado em faculdades e universidades. Isso inclui estar ciente da gravidade tanto do plágio intencional quanto do não intencional.

Tipos de plágio

Com relação à gravidade e frequência do plágio, um levantamento de pesquisadores científicos produziu um ranking dos tipos de plágio. Embora o plágio completo seja a falta mais grave, a paráfrase é a mais comum. Portanto, é muito importante considerar e compreender todos os diferentes tipos de plágio e como eles ocorrem.

Plágio completo

O plágio completo é a forma mais grave de plágio e verifica-se quando um pesquisador pega um manuscrito ou estudo que outra pessoa criou e submete-o como se fosse seu. É uma forma de roubo intelectual.

Plágio baseado na fonte

O plágio também pode ocorrer por causa dos diferentes tipos de fontes. Por exemplo, quando um pesquisador faz referência a uma fonte incorreta ou inexistente, é uma citação enganosa. O plágio também ocorre quando um pesquisador usa uma fonte secundária de dados ou informações, mas cita apenas a fonte primária de informações. Ambos os tipos levam a um aumento no número de fontes de referência. Isso, por sua vez, aumenta o número de citações das referências.

Finalmente, a invenção e a falsificação de dados também são formas de plágio. A invenção de dados é a criação de dados e descobertas de pesquisas, enquanto a falsificação de dados envolve a alteração ou a omissão de dados reais para dar uma impressão falsa. As consequências desse tipo de plágio podem ser graves, especialmente quando se trata de pesquisa médica, porque pode afetar negativamente as decisões clínicas.

Plágio direto

Plágio direto ou literal ocorre quando um autor copia o texto de outro autor, palavra por palavra, sem o uso de aspas ou atribuição, fazendo-o passar como seu. Desta forma, é como se fosse um plágio completo, mas refere-se apenas a trechos de um artigo (e não ao artigo inteiro). Este tipo de plágio é considerado desonesto e causa sanções disciplinares acadêmicas. Não é muito comum, mas é uma grave infração das regras acadêmicas e éticas.

Autoplágio

O autoplágio, também conhecido como duplicação, acontece quando um autor reutiliza partes significativas de um trabalho seu já publicado anteriormente, sem a devida atribuição. Assim, é mais provável que esse tipo de plágio envolva pesquisadores com publicações e não estudantes universitários. A gravidade desse tipo de infração é discutível e depende do conteúdo copiado. Porém, muitas revistas acadêmicas têm critérios rigorosos quanto à porcentagem de um trabalho do autor que é reutilizável. Muitas revistas examinam os artigos submetidos usando um software de detecção de plágio antes de considerá-los para revisão.

Plágio parafraseado

Este é, segundo a Wiley, o tipo mais comum de plágio. Envolve pegar um texto de outra pessoa, fazer pequenas alterações nas frases, e usá-lo como seu. Mesmo que as palavras sejam diferentes, a ideia original permanece a mesma e ocorre plágio. Como estudantes muitas vezes não têm uma compreensão clara do que constitui ou não plágio, há recomendações para pesquisa e redação disponíveis para reduzir o risco de plágio parafraseado.

Autoria imprecisa

A autoria imprecisa ou atribuição enganosa pode acontecer de duas maneiras: a primeira é quando uma pessoa contribui para um artigo, mas não recebe crédito por ele, a segunda é o oposto: quando uma pessoa recebe crédito sem contribuir para o trabalho. Este tipo de plágio, independentemente da forma como ocorre, é uma violação do código de conduta em pesquisa científica.

Também é possível cometer esta forma de plágio quando alguém edita um artigo a ser publicado, levando a mudanças substanciais. Neste caso, a recomendação é reconhecer os colaboradores no momento da publicação, mesmo que eles não estejam listados como autores.

Plágio em mosaico

O plágio em mosaico pode ser mais difícil de detectar, porque consiste em misturar frases ou textos de outra pessoa à sua própria pesquisa. Também é conhecido como plágio em retalhos e é intencional e desonesto.

Plágio acidental

Seja intencional ou não, não há desculpa para o plágio e as consequências são muitas vezes as mesmas. No entanto, o plágio pode ser acidental se ocorrer por negligência, erro ou paráfrase não intencional. É mais provável que estudantes cometam plágio acidental do que pesquisadores estabelecidos; portanto, as universidades precisam valorizar e promover a educação a respeito dessa forma de plágio.

Estes são alguns dos diferentes tipos de plágio que são comuns na comunidade de pesquisa. Quantos destes você já encontrou? Como você lidou com eles? Por favor, compartilhe seus pensamentos conosco na seção de comentários abaixo.

Leave a Reply

avatar
  Subscribe  
Notify of