17

Cartas para periódicos científicos: um kit de sobrevivência para se comunicar com o corpo editorial

Chegar à fase final de publicação em uma revista científica não é tarefa fácil, por isso consideramos uma grande conquista no mundo acadêmico. Se o seu manuscrito chegou até esse ponto significa que você teve sucesso em várias etapas, como a submissão do trabalho, avaliação por pares, revisão e edição. Não é incomum que algumas dúvidas surjam ao longo do processo e são nesses momentos em que muitos de nós, especialmente os pesquisadores mais jovens, precisam contornar uma grande insegurança: “Devo me comunicar com o editor da revista? Como devo fazer isso?”.

Embora a comunicação com o corpo editorial possa ser um desafio, a troca de ideias facilita todas as fases do processo de publicação. A hesitação é compreensível: sua correspondência com o editor pode ter um peso grande na determinação se o seu artigo será ou não publicado. No entanto, existem situações em que é realmente aconselhável que você escreva para o editor do periódico porque é simplesmente melhor esclarecer suas dúvidas diretamente do que arriscar ter o manuscrito rejeitado por falta de informação. Comunicar-se com o editor te dará a chance de esclarecer incertezas e entender melhor o que os editores buscam alcançar em suas decisões. Essa noção pode ser um grande diferencial para que a sua mensagem seja transmitida com clareza de forma eficaz, aumentando as chances do seu trabalho ser aceito para publicação.

Não há problema em se comunicar com os periódicos, desde que você mantenha a formalidade e expresse bem o que você procura saber através desse contato. Mas qual é a maneira adequada de se comunicar com a revista? A troca de informação pode acontecer em diferentes momentos e nós preparamos esse guia para te ajudar a se comunicar com o periódico de forma apropriada em todas as etapas do processo de publicação.

Pre-submission inquiry

Sua escolha de periódico não precisa se basear somente na sua interpretação do que é declarado como escopo da revista. Você pode perguntar se o periódico teria interesse em publicar seu trabalho através de uma consulta pré-submissão. O objetivo é mostrar ao corpo editorial como o seu manuscrito é relevante à pesquisa e se encaixa nos critérios determinados no escopo. Você deve enviar uma carta de apresentação similar à cover letter, assim como um resumo do seu trabalho. A Plos Computational Biology, por exemplo, recomenda que a carta seja detalhada o suficiente para que a sua mensagem seja transmitida de forma convincente. Consultas pouco informativas e/ou confusas podem fazer com que os editores questionem a qualidade do trabalho. Mas vale lembrar: nem todo periódico aceita esse tipo de carta, então é sempre melhor checar as diretrizes da revista primeiro.

Download Modelo de Pre-Submission Inquiry

Cover letter

Quando é requerida por um periódico, a carta de apresentação é o primeiro documento a ser lido pelo editor. Ela representa uma oportunidade de mostrar diretamente ao editor e, dependendo da política da revista, até mesmo aos revisores, os motivos pelos quais o seu trabalho é significativo. A maioria dos periódicos espera uma cara de uma página, apresentando os autores pelo nome, titulação e afiliação, o título do artigo, o argumento principal e uma descrição do seu interesse em publicar naquela revista, ressaltando porque sua contribuição é única para a área. Evite copiar o abstract na carta, discuta a relevância do trabalho com suas próprias palavras. Lembre-se de seguir o guia para autores do seu periódico de escolha! Se você não incluir o que for exigido, a rejeição provavelmente será automática. A Nature ainda dá uma dica para evitar pequenas implicâncias do corpo editorial: não envie sua carta para “Dear Sir”. Essa linguaguem é antiquada e muitas vezes incorreta, já que muitas mulheres fazem parte da equipe de editores. Use “Dear Editor”, de gênero neutro, caso não vá se dirigir a nenhum editor específico.

Download Modelo de Cover letter

Inquiry about manuscript status

Todos nós ficamos estressados quando enviamos um manuscrito no qual trabalhamos arduamente e não obtemos resposta. Mas acalme-se, o processo de submissão é longo, além de depender muito de práticas específicas do corpo editorial. No entanto, é considerado aceitável entrar em contato caso você passe cerca de 4 meses sem resposta, desde que você se comunique de forma educada e paciente. Mostrar interesse na publicação do seu manuscrito demonstra engajamento, mas ninguém vai reagir bem à grosseria. Com uma boa carta de consulta de status, os editores costumam simpatizar com a situação dos autores: eles já estiveram no seu lugar.

Download Modelo de Inquiry of Manuscript Status

Response to reviewers

Responder aos comentários dos revisores pode ser tão exaustivo quanto escrever o próprio manuscrito. No entanto, essa é a sua chance de responder diretamente aos revisores, descrevendo estratégias de melhora, esclarecendo mal-entendidos e defendendo aspectos do seu trabalho que justifiquem a publicação. Mesmo sendo uma resposta aos revisores, o editor também lerá a sua carta, e a forma com que você responde às críticas tem bastante impacto na decisão de publicação ou não. Você deve manter o tom profissional e mostrar que você considerou cuidadosamente as opiniões recebidas. Sua resposta deve detalhar todas as alterações realizadas e, caso você decida não seguir alguma recomendação, explique porque você considera o material original melhor. Se algo foi mal interpretado pelos revisores, explique com educação. Não tenha medo de admitir que erros podem ter ocorrido e, principalmente, seja lógico e cordial: mostre como seu trabalho revisado é superior à versão original e reconheça a contribuição dos revisores para alcançar esse objetivo.

Download Modelo de Response to Reviewers

Appeal letter on rejection

A comunicação mais desafiadora com um editor provavelmente é a carta de apelo em caso de rejeição. Elas não são frequentemente recebidas e dificilmente revertem a decisão original. Pode ser uma boa ideia considerar a publicação em outro periódico nesse caso. No entanto, se você acredita possuir motivos para um recurso genuíno, alguns fatores devem ser considerados. Cientistas costumam ser bastante lógicos, mas uma carta de rejeição pode te desestabilizar emocionalmente. Espere um tempo para se acalmar ao invés de ceder à tentação de responder com um email furioso. Siga o procedimento de recurso do periódico, fornecendo quaisquer novas informações ou dados que você gostaria que fossem reconsiderados. Esse tipo de carta é lida apenas pelos editores, então informações sensíveis que não devem ser vistas pelos revisores podem ser incluídas. Forneça evidências se você acredita que um revisor cometeu erros técnicos na avaliação do trabalho ou se pode haver conflito de interesse. Lembre-se: sua carta de apelo deve ser construtiva.

Download Modelo de appeal letter on rejection

Agora que você já sabe melhor como sanar suas dúvidas junto ao periódico de forma educada e eficaz, é hora de seguir em frente e publicar seu manuscrito! Conta pra gente: você já precisou tirar dúvidas junto a algum periódico? O quanto essa comunicação te ajudou ao longo do processo?

Subscribe
Notify of
guest
0 Comments
Inline Feedbacks
View all comments
X

Inscreva-se para ler mais

Inscreva-se gratuitamente para obter acesso completo a todos os nossos recursos em pesquisa escrita e publicação acadêmica, incluindo:

  • 2000+ artigos de blogs
  • 50+ Webinars
  • 10+ Podcasts especializados
  • 50+ Infográficos
  • Fórum Q&A
  • 10+ eBooks
  • 10+ Checklists
  • Guias de Pesquisas
[i]
[i]
[i]
[i]