17

Como a manipulação crescente de citações está afetando o mundo acadêmico

Para um pesquisador, publicar o seu trabalho não só representa uma obrigação – é dever do pesquisador divulgar os seus resultados e assim avançar o seu campo de estudo, mas também auxilia para o aumento de sua reputação e prestígio entre os seus colegas de trabalho. É sempre importante salientar que para um pesquisador, ter os seus artigos altamente citados é tão quão importante quanto publicar. Saber que o seu trabalho é citado ajuda no seu pedido de promoção, na sua avaliação anual e impacto acadêmico.

Desde 2014, um dos mais importantes indicadores de citações e impacto no meio científico é a lista de ”Pesquisadores Altamente Citados” publicada anualmente pela Web of Science Group parte da Clarivate Analytics. Esta lista destaca pesquisadores influentes em todo o mundo e identifica cientistas cujos vários trabalhos estão classificados no top 1% por citações para seu campo, demonstrando influências significativas da pesquisa entre os seus colegas de profissão.

A lista publicada em 2019 inclui 23 ganhadores de prêmios Nobel, 6 a mais do que em 2018, incluindo três anunciados no ano de 2019: Gregg L. Semenza, da Universidade Johns Hopkins (Fisiologia Medicina), John B. Goodenough, da Universidade do Texas em Austin (Química), e Esther Duflo, do Massachusetts Instituto de  ecnologia (Economia). Também incluído na lista de 2019 estão 57 cientistas Laureados por Citações – indivíduos reconhecidos pela Web of Science Group, através de análise de citações, como potenciais ganhadores do Prêmio Nobel.

Graças à sua imensa importância no meio acadêmico, inúmeros casos de manipulação de citações estão sendo investigados. A manipulação de citações não representa uma prática nova, o aumento de citações beneficia tanto os cientistas como as revistas. Para os autores, um número alto de citações demonstra a importância e impacto de sua pesquisa. Para as revistas e as editoras, o número de citações é diretamente relacionado com o seu impacto, e não apenas os fatores de impacto são amplamente utilizados como um barômetro para a importância e o prestígio de uma revista, mas também são amplamente utilizados para avaliar a equipe, conferir promoções e conceder prêmios. No mundo da publicação acadêmica e da academia, quanto maior o fator de impacto, melhor.

De acordo com um estudo publicado recentemente, a pressão para publicar e obter fundos para pesquisa continua aumentando, ao mesmo tempo em que as taxas de rejeição estão aumentando. Essa combinação, a pressão para aumentar as publicações juntamente com a crescente dificuldade de publicação, pode motivar os acadêmicos a violar as normas de pesquisa. Esse comportamento se manifesta de diferentes formas quando relacionados às citações:

– Um pequeno grupo de acadêmicos ou cientistas pode citar as publicações uns dos outros com uma frequência muito maior do que seria normalmente o caso em campos maiores, e mesmo nesses campos maiores projetos colaborativos significam que altas taxas de inter-citação entre os membros do grupo de pesquisa estão longe de ser incomuns. Duas revistas acadêmicas ou científicas que publicam material de pesquisa semelhante também podem se citar frequentemente, e há uma variação significativa nos padrões de citação entre as disciplinas. Um conjunto de dados publicado pela revista PLOS que lista cerca de 100.000 pesquisadores, mostra que pelo menos 250 cientistas acumularam mais de 50% de suas citações de si mesmos ou de seus co-autores, enquanto a taxa média de auto-citação é de 12,7%.

Um estudo acadêmico demonstrou que aproximadamente 20% de cientistas experimentaram citações coercitivas (quando os editores direcionam os autores a adicionar citações aos artigos das revistas dos editores, mesmo que não haja falta de atribuição indicada e nenhum artigo ou tópico específico seja sugerido pelo editor ) e mais de 50% disseram que adicionariam citações supérfluas a um artigo submetido a uma revista coercitiva, na tentativa de aumentar a sua chance de publicação.

Em 29 de janeiro de 2019, três editores da revista “Journal of Theoretical Biology (JTB)” anunciaram em um editorial que a revista havia investigado e barrado um editor não identificado do conselho por “má conduta científica da mais alta ordem”. O editor barrado é Kuo-Chen Chou, um biofísico que fundou e dirige uma organização que ele chama de Instituto Gordon Life Science, em Boston, Massachusetts. Segundo o editorial, Chou pediu aos autores de dezenas de artigos que ele estava editando para citar uma longa lista de suas publicações – às vezes mais de 50 – e sugeriu que eles mudassem os títulos de seus artigos para mencionar um algoritmo que ele havia desenvolvido.

De 2014 a 2018, Chou foi nomeado pesquisador altamente citado na lista produzida pela Clarivate Analytics. Entretanto, o nome dele não aparece na lista de 2019; no ano passado, a Clarivate decidiu remover cientistas cujos documentos mostravam “níveis incomumente altos de auto-citação”. A Elsevier ainda não decidiu o que fazer com os papéis que Chou tratou que citam liberalmente o seu trabalho, diz o porta-voz. “Seria prematuro comentar sobre possíveis retrações. Infelizmente, não existe um mecanismo robusto para remover as citações no momento, de uma maneira que se reflete nos serviços de indexação”.

Lamentavelmente, quando os artigos contêm referências que não contribuem para o conteúdo acadêmico do artigo e foram incluídos apenas como um mecanismo de aumento de citações, o resultado deturpa a importância do trabalho específico e da revista em que ele aparece, excluindo potenciais estudos e cientistas que possam realmente avançar a ciência.

Existem formas de aumentar o seu impacto sem recorrer a manipulação de citações. Entre elas, podemos citar

  1. Somente cite o seu trabalho anterior quando for relevante para um novo manuscrito.
  2. Use palavras-chave que os pesquisadores do seu campo procurarão e repitá-os no título e resumo.
  3. Faça o seu manuscrito facilmente acessível, ou em acesso aberto ou publicados em um repositório. Verifique o SHERPA RoMEO para encontrar as políticas de direitos autorais e de auto-arquivamento do seu editor em relação ao compartilhamento do manuscrito publicado.
  4. Apresente o seu trabalho em conferências. Embora as apresentações da conferência não sejam citadas por outras pessoas, isso tornará a sua pesquisa mais visível para as comunidades acadêmicas e de pesquisa. Confira estas dicas para aproveitar ao máximo a sua próxima conferência de pesquisa.
  5. Use mídias sociais. Forneça links para os seus documentos nas mídias sociais (por exemplo, Facebook, Twitter, Academia.edu, ResearchGate, Mendeley) e a sua página de perfil da universidade.

Leave a Reply

avatar
  Subscribe  
Notify of