O sistema de periódicos de acesso livre é disruptivo?

Sound-triggered High-speed flash picture, using the HiViz Delayed Sound Trigger circuit - various shots using a pump pellet gun, 4/5/09

Fonte: Mindjet

O termo é muito mais conhecido em inglês (disruptive) do que em português e seu uso tem se popularizado principalmente devido a ideia de tecnologia disruptiva. Mas qual o seu significado? Na língua inglesa, disruptivo é o que rompe, desordena ou interrompe o progresso ou a atividade normal de algo. Dentro desse parâmetro, tecnologia disruptiva é aquela que não propõe mudanças revolucionárias, mas que preenche lacunas ignoradas pelas tecnologias anteriores, passando a dominar tais nichos de atuação.

No modelo de Clayton Christensen de inovação disruptiva, a complicação e o alto custo são a situação atual e uma inovação desse tipo surge para transformar o mercado já existente, introduzindo quatro novos aspectos: a simplicidade, a conveniência, a … [Continue Lendo]

Publicação sem fins lucrativos: Por que periódicos acadêmicos devem adotar?

non-profit-enagoPara aqueles pouco atentos ao universo dos periódicos acadêmicos fora do Brasil – onde predominam as publicações sem fins lucrativos – a pergunta do título pode parecer estranha, mas reflete um dos pontos mais questionados sobre a realidade dos pesquisadores e instituições no contexto internacional. Se aqui as variáveis para escolha da publicação passam pelo conceito e visibilidade dos periódicos acadêmicos, lá fora soma-se a isso o fator preço, uma vez que a publicação num periódico de ponta pode ultrapassar a quantia de cinco mil dólares por artigo. Embora os altos valores possam ser justificados em parte pelos altos custos do processo editorial – sendo uma parte considerável dedicada à publicidade e divulgação – a margem de lucro dos periódico … [Continue Lendo]

Programas alternativos além daqueles de acesso livre para pesquisadores

Research4life-EnagoO conhecimento é um tipo de poder que pode mudar realidades desfavoráveis, e, por isso, deve ser acessível a todos. Parece ser esse o ideal comum que guia algumas organizações internacionais cujo objetivo é facilitar o acesso do pesquisador situado em países subdesenvolvidos ao conhecimento produzido em grandes centros, tendo como principais parceiros instituições de ensino e pesquisa de renome mundial e organizações voltadas ao desenvolvimento humano e científico. Ao oferecer um programa de acesso livre a pesquisadores de países periféricos, estas instituições expandem a noção de conhecimento de acesso livre – em voga atualmente – no sentido de contemplar aqueles cujos contexto não propicia que participem deste momento mais intenso de difusão do conhecimento no chamado Mundo Ocidental. Por … [Continue Lendo]

Novos sistemas de busca de periódicos em bibliotecas e plataformas online

discovery-research-systemsQual o impacto dos novos sistemas de busca de bibliotecas (no caso, os Discovery Research Systems) e plataformas online no uso de periódicos online? A pergunta é fruto das mudanças nos hábitos de leitura de universitários e pesquisadores em função dos avanços tecnológicos vividos nos últimos anos. A dissociação – ao menos parcial – entre a noção de obra impressa e leitura foi acompanhada pelo decréscimo das idas à biblioteca e essas tiveram que criar formas de facilitar o acesso descentralizado de seus frequentadores através de novos sistemas de busca próprios e outras plataformas online.

O impacto dessa adaptação foi um dos temas discutidos na conferência anual organizada pela instituição sem fins lucrativos UKSG, que se propõe à … [Continue Lendo]

Periódicos de acesso livre representam uma ameaça a publicações acadêmicas mais antigas

periódicos de acesso livreJá há muitos anos os chamados periódicos antigos, aqueles mais tradicionais, dominam o circuito de publicação acadêmica em âmbito internacional. Como publicado em artigo recente do site EdTech, as duas maiores editoras do ramo de publicação acadêmica, a Elsevier e a Springer, tiveram juntas uma receita de 4,7 bilhões de dólares em 2013 (3,5 bilhões e 1,2 bilhões, respectivamente) de acordo a relatórios anuais divulgados pelas próprias empresas, o que mostra o quanto os periódicos lucram.

Do outro lado da equação estão as universidades, maiores responsáveis por estes lucros, uma vez que a maior parte da receita dos periódicos vem de pacotes de assinatura de instituições de ensino e pesquisa, que agora começam a rever os altos gastos com … [Continue Lendo]