Obtendo o feedback ideal do orientador para sua pesquisa

26 November 2014  |  Postado em Mundo Editorial Científico   |  Sem Comentário  |  Faça um Comentário

feedback_EnagoO fazer científico muitas vezes é solitário, especialmente no desenvolvimento de um trabalho de pesquisa longo como uma tese ou dissertação. Nestes casos, há ainda as incertezas do processo, visto que o pesquisador ainda encontra-se em fase de formação e muitas são as dúvidas, o que torna imprescindível a presença do orientador. Mas como obter o feedback ideal e tornar  mais proveitosa possível a interferência de seu orientador?

Definindo necessidades

Para receber o feedback ideal sobre seu trabalho de pesquisa, seja de seu orientador ou de outro interlocutor, você precisa primeiramente definir quais são suas necessidades. Para isso é preciso fazer uma leitura crítica de seu trabalho e ter em mente que um bom feedback é aquele capaz de tirar o pesquisador de sua zona de conforto. Antes de pedir um feedback a seu orientador, faça o esforço de colocar-se na condição de avaliador externo de seu próprio trabalho de pesquisa e procure pelas possíveis falhas do mesmo para ter uma noção de que tipo de críticas ele pode suscitar. Este tipo de exercício o torna mais preparado para avaliar com objetividade o feedback e assim fugir do extinto de ficar na defensiva diante das críticas recebidas, postura que pode lhe impedir de usá-las em favor de seu trabalho de pesquisa.

Uma abordagem direta é fundamental

A autocrítica em relação ao próprio trabalho também permite ao pesquisador fazer as perguntas certas a seu orientador, permitindo a este último dar um feedback direcionado e mais produtivo. Todos sabem, mas muitos esquecem, que orientadores exercem outras funções no meio acadêmico e também dedicam-se a mais de um orientando, o que torna o tempo deles escasso. Assim sendo, a solicitação de um feedback guiado por um roteiro de questões específicas ajuda o orientador a focar a atenção nos pontos em que o orientando precisa de suporte para continuar a desenvolver seu trabalho de pesquisa. Algumas questões que ajudam a guiar o feedback do orientador são referentes à: clareza do problema de pesquisa; nível de inovação da proposta; pertinência da metodologia adotada; adequação e atualidade da bibliografia escolhida; clareza da apresentação das ideias no texto; ausência ou insuficiência de problematização de algum aspecto da pesquisa; possíveis lacunas ou conclusões precipitadas na argumentação.

Otimizando a interação

Num mundo ideal o orientador se reúne periodicamente com seus orientados para informar-se sobre os rumos do trabalho de pesquisa de cada um e dar-lhes o feedback necessário. Porém, no mundo real essas reuniões presenciais de orientação acabam sendo raras e o pesquisador precisa saber otimizar suas interações com seu orientador. Não deixe que sua produção estagne até a próxima reunião de orientação, ao invés disso, faça contato com seu orientador por e-mail especificando quais são suas dúvidas e que tipo de feedback você precisa para dar prosseguimento ao trabalho. E caso o retorno custe a chegar, faça um lembrete pessoalmente sobre o aguardo da resposta para enfatizar a urgência de sua demanda.

Nem sempre o orientador tem todas as respostas

Há pesquisador que veja o orientador como uma espécie de “salvador”, mas essa imagem precisa ser diluída para o bem da relação entre as partes, uma vez que este tipo de idealização pode conduzir a grandes decepções. Nem sempre o orientador domina todas as questões que um orientando desenvolve em seu trabalho de pesquisa, o que lhe impede de dar um feedback mais aprofundado. Nestes casos, pode ser negociada com o orientador a participação de coorientador, se necessário, ou o orientando pode por conta própria buscar fontes ou outros professores de su pós graduação que possam ajudá-lo com questões de pesquisa específicas. Em casos mais críticos, pode-se ainda solicitar – se possível – a troca de orientação, mas isso deve ser sempre encarado como um recurso extremo, a ser pensado particularmente nos casos em que o tema do trabalho de pesquisa do orientando fuja muito à alçada do orientador ou caso algum tipo de problema de convívio grave se estabeleça entre as partes.

Anterior
Oportunidade ou golpe? Editoras que oferecem publicação gratuita
Próximo
Em que casos abandonar a pós-graduação pode ser uma boa ideia?

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *