Como superar o perfeccionismo

perfectionVocê é perfeccionista? Façamos um breve teste: Você repete várias vezes a primeira parte dos seus textos porque nunca está satisfeito com o resultado? Toma as críticas que recebe em relação a seu trabalho como ofensas pessoais? Fica excessivamente na defensiva quando recebe críticas ou se martiriza por ter cometido pequenos erros? Sua saúde ou relacionamentos estão começando a ser ou já foram afetadas pela sua obstinação em alcançar sempre a “perfeição”? Se você respondeu sim à maioria das perguntas, você é de fato perfeccionista e este traço da sua personalidade pode estar atrapalhando o seu sucesso.

Há quem acredite que o perfeccionismo é algo positivo porque suas exigências garantem sempre bons resultados, mas há um equívoco neste raciocínio. Na verdade ser perfeccionista é diferente de ter padrões de qualidade altos: enquanto padrões altos lhe permitem realizar um trabalho de melhor qualidade, o perfeccionismo lhe faz estabelecer uma meta irreal, inalcançável, cuja busca representa um caminho curto para a depressão e estresse.

Os problemas causados pelo perfeccionismo

Ao estabelecer metas impossíveis de serem alcançadas, fica-se mais propenso à ansiedade e a sentimentos depressivos causados pela sensação de fracasso. Esse quadro pode levar então à estagnação – diante da impossibilidade de alcançar o objetivo ou padrão estabelecido – que conduz à procrastinação. Outro problema de produtividade gerado pelo perfeccionismo é a imensa perda de tempo causada pelo refinamento incessante de detalhes desimportantes. Em função disso, não é incomum que pessoas perfeccionistas sentirem que levam muito tempo para obter poucos resultados.

O medo de errar pode levar também à produção de um trabalho pouco criativo, ou pior: às vezes nem se consegue chegar ao fim do trabalho devido à estafa causada pelo excesso de cobrança por resultados inalcançáveis, o que gera diversas reações físicas e psicológicas e pouca produção. Por fim, o perfeccionismo também pode afetar o convívio social no ambiente de trabalho daqueles que possuem este traço de personalidade, já que atitudes rígidas demais e metas irreais tendem a afastar possíveis colaboradores.

Dicas para quebrar o círculo vicioso do perfeccionismo

A melhor forma de quebrar esse círculo vicioso é estar atento aos sinais que você se dá ao longo da sua rotina, verificando sua predisposição a posturas perfeccionistas sempre que se sentir pressionado por suas metas e obrigações.

•  Verifique suas metas: Suas metas são realistas ou você está cobrando de si mesmo o impossível? Compare suas metas com as de outros colegas para ter uma noção das dificuldades e anseios dos demais e assim poderá se situar.

Verifique seus padrões de comportamento: Você está focado no trabalho que realmente deveria estar fazendo ou está desperdiçando tempo refazendo coisas já acabadas por capricho? Talvez você esteja sendo rigoroso demais com a noção de imperfeição e isso esteja atrapalhando sua produtividade por esse ciclo repetitivo de refazer o já acabado. Se for o caso, uma boa solução inicial é substituir o excesso de autocrítica por autoelogios, valorizando o que há de valoroso em seu trabalho e investindo nestes pontos positivos para prosseguir.

 Verifique a opinião dos outros: Compartilhar com colegas os problemas enfrentados no trabalho e na universidade, comentando suas experiências e ouvindo as experiências dos outros, pode interferir de forma positiva em sua autoimagem profissional e em sua produtividade. Comparando experiências você certamente observará que todos enfrentam dificuldades e momentos de pouca produtividade e que estes problemas não fazem de você um fracassado.

Verifique (e teste) as possibilidades: Arrisque-se! Pense formas de arriscar-se na realização de seu trabalho de forma segura e criativa, de modo a tornar suas tarefas estimulantes e desafiadores. Você poderá, por exemplo, fazer uma checklist sobre o que deverá realizar para chegar ao resultado desejado no seu trabalho e em sua pesquisa. Você poderá ainda, determinar o tempo que deverá levar para a realização de cada tarefa e não comprometer momentos de descanso.

Essa postura permitirá que você mantenha o foco sobre aquilo que é realmente prioritário, dê contribuições mais relevantes a seu campo de estudos e ainda a dar mais visibilidade a seu trabalho.

E ao final de tudo, reconheça seu esforço e recompense a si mesmo pelo trabalho realizado. Você merece!

Anterior
Será o Kudos a solução para o seu trabalho ser lido e citado?
Próximo
Maximizando seu tempo: Quando escrever, pesquisar e editar

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *