Trabalho ou paixão? A carreira de um tradutor profissional

10 July 2017  |  Postado em Dicas para Autores, Mundo Editorial Científico, O Mundo da Ciência   |  Sem Comentário  |  Faça um Comentário

A tradução pode ser uma profissão extremamente gratificante. Você pode vê-la como um trabalho em período integral ou como um ganho extra entre outros empregos. Tradutores são parte essencial de muitas áreas do conhecimento e não podem reclamar de rotina, pois todos os dias há a oportunidade de lidar com temas diversos.

 

Tradutores estão sempre atentos aos detalhes, afinal, qualquer erro pode ganhar maiores proporções conforme o texto é divulgado. Além disso, é umas das profissões em que, quanto mais velho e experiente você se torna, melhor é a sua posição no mercado.

 

Traduzir é mais que substituir palavras, não é um processo exato, onde A é igual a B. As ideias precisam ser adequadas para o novo idioma para preservar o sentido desejado pelo autor. O bom tradutor sabe reconhecer referências culturais e entende quando elas podem ser traduzidas para algo diferente no idioma alvo ou devem ser explicadas para os leitores.

 

Quais tipos de trabalho um tradutor pode ter?

  • Tradutor freelancer: possui a liberdade de trabalhar de qualquer lugar do mundo, além de poder escolher projetos que pareçam mais lucrativos e interessantes em detrimento de outros não tão rentáveis.
  • Proofreader: também conhecidos como revisores, são responsáveis por checar erros gramaticais e de digitação que podem passar despercebidos durante as várias leituras feitas pelo tradutor. Trabalham em conjunto com os tradutores para garantir as melhores escolhas de vocabulário.
  • Editor: prepara a versão final do texto. Ele garante que o texto se encaixe em parâmetros de formatação e de diagramação e que respeite o limite de palavras desejado pelo cliente.
  • Gerente de projetos: é o intermediário entre o cliente, a agência e o tradutor. O gerente de projetos é quem faz contato com o cliente para entender quais são as suas demandas e para esclarecer o que pode ser alcançado. Ele também é o responsável por estabelecer os prazos para o cumprimento do trabalho e por alocar os profissionais mais apropriados para cada projeto.Localização: tradutores especializados em localização adaptam um produto, conteúdo ou software com base nas características de uma cultura e de uma linguagem. Eles possuem vasto conhecimento sobre o idioma, a terminologia técnica e o público-alvo. O objetivo dessa etapa é criar a impressão de que o produto foi produzido no país em que está sendo comercializado.

 

O eterno dilema: tradutores serão substituídos por máquinas?

O uso da tecnologia mudou o cenário desse setor. A maioria dos tradutores já precisa conhecer ferramentas de tradução, as famosas “CAT Tools”. Por meio de memórias de tradução e de gerenciamento de terminologias, os softwares tornam a tradução mais rápida e eficiente.

 

A definição de terminologias complexas e o reconhecimento de trechos repetidos formam um banco de dados que auxilia o tradutor. Em caso de projetos grandes que necessitam de muitos profissionais, o banco de dados garante a consistência e a uniformidade do texto.

 

Além disso, o acesso à internet permite que o profissional trabalhe de qualquer parte do mundo e ainda possa manter uma rede de contatos, não precisando ficar restrito a oportunidades em sua cidade ou país. Apesar dos aspectos positivos, a grande discussão dessa área se dá em torno das ferramentas de tradução automática. Especula-se que futuramente o trabalho do tradutor será substituído por esses programas em função da rapidez e da redução de custos. Independente das melhorias que as ferramentas possam receber, dificilmente elas conseguirão lidar com aspectos como contexto, cultura e subjetividade.

 

Vale a pena

A profissão de tradutor é indicada principalmente para pessoas que possuem excelente qualificação em outro idioma. Além de ser gratificante lidar com culturas diferentes, o tradutor é constantemente desafiado devido aos diferentes temas e áreas do conhecimento que pode ter contato.

Anterior
Como escolher o periódico adequado para publicar o seu artigo?
Próximo
O cliente tem sempre razão?

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *