Equilíbrio na vida acadêmica: Publicar e Viver

equilibrioEste tema pode até soar meio “zen”, mas seu entendimento é primordial para o bom desempenho de um profissional da área de pesquisa. Seja universitário ou pessoal, para um boa estabilidade, esses lados tem que andar juntos, um atuando positivamente em prol do outro.

Estudantes e professores universitários concordam: o equilíbrio na vida acadêmica, que inclui o ensino, a publicação regular e a vida pessoal, é a parte mais desafiadora de uma carreira acadêmica.  A dose varia conforme a necessidade de cada um e o mais importante a esses individuos é saber conhecer e reconhecer suas particulares necessidades, buscando atendê-las de forma harmoniosa, de modo a satisfazer todos os “eus” deste ser.

O que torna esse equilibrio ainda mais desafiante é a constante mudança de valores e interesses. Seja na vida pessoal ou profissional, é fato que tudo está em constante alteração e embora a maior característica do ser humano seja a capacidade de adaptar-se às mudanças, ainda há certa resistência, por parte de alguns em aceitar o novo , o diferente, o inesperado. O que em muitos casos acabam gerando frustação, sentimento de incapacidade, ou qualquer coisa semelhante.  É preciso ser forte para vencer as barreiras e ter sabedoria para lidar com as ações sem sacrificar nenhum dos lados, seja o profissional ou o pessoal.

A seguir, apresentamos algumas dicas que podem ajudá-lo a enfrentar este desafio na conciliação na vida acadêmica:

Envolva-se em atividades fora da universidade.

Manter as relações interpessoais é saudável para a mente e o corpo, nossa natureza humana nos induz a viver em sociedade.

  • Frequentar bares e festas é especialmente interessante para acadêmicos solteiros.
  • Não se isole. Junte-se a um clube de esportes / grupos com mesmos interesses / e a sua própria equipe, desta vez, para atividades fora da universidade.

Trate o trabalho acadêmico como um emprego; tenha fins de semana ou pelo menos um dia de folga.

É importante conceder a si ou aos seus entes próximos um tempo para especial atenção.

  • É necessário para os acadêmicos com o parceiro(a) não-acadêmico(a), especialmente se eles tiverem filhos.
  • Não espere a “inspiração” atacar para de começar a trabalhar. Treine-se para começar às 9hs (ou o tempo que se encaixa a agenda de sua família) e trabalhe até 17hs ( para se ajustar à programação da família)
  • Leve um pequeno caderno para anotar as idéias quando não estiver durante o “tempo de trabalho”. As ideias também podem aparecer no momento em que a mente estiver relaxada.

Programe o seu tempo e mantenha a sua programação.

Organização é sempre bom, na vida acadêmica não é diferente. Isso não implica dizer, exatamente, que você deve seguir um tipo metódico, mas um mínimo de gestão de tempo, torna possível o controle, de boa parte, das coisas que envolve sua vida.

  • A cada semana, anote exatamente que horas do dia serão gastos em que projetos, com base em outros compromissos e seus hábitos de trabalho pessoais.
  • Este método o manterá focado no que realmente é importante, porque não temos tempo para passar o dia todo correndo atrás de um pequeno pedaço de informação, que em alguns casos não chega a ser relavante ao estudo.
  • Isto assegura que fazer o que é imperativo, seja ensinando, preparando a pesquisa / escrita, você irá perder menos tempo. Isso é ser eficiente.
  • E o mais importante, uma vez iniciada a nova rotina, mantenha. Ao tentar deixar para o próximo dia ou mês, você somente está postergando o seu tempo livre.

Esta técnica não vai resolver tudo, mas pode ajudar

As universidades não costumam fornecer um cronograma de trabalho rigoroso para permitir que você mesmo o faça. Essa iniciativa tem a intenção de garantir que o seu ensino, o seu próprio trabalho de pesquisa e sua vida não-acadêmica estejam em equilíbrio.

Quando cada parte da sua vida estiver organizada, além da obtenção de melhores resultados, você conseguirá atingir o seu melhor momento porque descobriu o verdadeiro valor do equilíbrio.

Anterior
Como escrever uma boa revisão bibliográfica
Próximo
Porque aderir ao auto-arquivamento de pesquisa

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *