Correspondência na Tradução Profissional

Traducao profissionalNo Brasil, o idioma oficial é o português. No entanto, apesar da globalização e forte da presença estrangeira no país, apenas uma pequena fração da população domina um segundo idioma, ou pior ainda, mal sabem escrever e falar corretamente a língua nativa.

O ato de redigir não é um tarefa fácil, em um idioma estrangeiro, a situação torna-se ainda mais difícil. É comum as pessoas procurarem a maneira mais fácil ou econômica de fazer isso, a maioria utiliza os práticos tradutores automáticos, em geral, dispostos de forma gratuita nas redes da internet. Esses funcionam de uma forma muito simples, basta copiar o texto na caixa do aplicativo tradutor, escolher o idioma, clicar no botão traduzir e pronto, tradução feita! No entanto, quando o texto traduzido é analisado, é observado que não há boa compreensão na leitura, as palavras ficam desconectadas umas das outras, as frases sem concordância, enfim, toda a organização do documento original é perdida.

Sendo assim, é devido concluir que, apesar das ferramentas automáticas ou mesmo dicionários impressos serem um bom auxílio, estes não podem ser o principal recurso para o processo de conversão de um texto em um outro idioma.

Fidelidade da tradução ao texto original

Em determinadas redações, podem existir termos técnicos que são específicos a uma área mas que pessoas leigas não compreendem o significado. Estas ocasiões, acontecem com frequência em documentos de natureza cientifica e industrial. Como as expressões não são genéricas, quando traduzidas “ao pé da letra”, não correspondem ao significado original. Isso implica em uma disparidade entre as informações do texto de partida e às do obtido. Para que não ocorra esse tipo de divergência, é indicado a contratação de serviços de traduções. Neste caso, a conversão é feita por profissionais de áreas específicas, hábeis a transpor o texto nos idiomas solicitados, de maneira a garantir que a fidelidade do conteúdo, autonômico ao processo interlinguistico.

Embora os serviços sejam, na maioria das vezes, pagos, há uma boa relação de custo-benefício. Por exemplo: um profissional de uma indústria redigiu em português o manual técnico de um determinado equipamento, todavia o modelo fora exportado para vários países, em consequência, seria necessário que o documento estivesse disponível em inglês, francês e espanhol. Quem faria essas traduções? Ferramentas automáticas, devem estar fora de cogitação, caso contrário, a suscetibilidade ao erro seria alta. A opção mais conveniente é contratar um tradutor profissional. De fato existiria um ônus pela disposição do manual em outras línguas, todavia, a existência de equívocos na conversão poderia comprometer a segurança no manuseio do equipamento, podendo provocar algum dano ou sinistro, por conseguinte, a empresa seria responsabilizada por negligencia. O que sairia mais caro, pagar uma tradução e ampliar a possibilidade de usuários ou correr o risco de ter transtorno com clientes e prejudicar o nome da empresa? A primeira opção é sem dúvidas a melhor escolha.

O caso abordado, é uma situação clássica vivenciada nas indústrias, excelente para afirmar a importância da magistralidade em conversões interlinguísticas. Assim, seja qual for a condição, quando estão envolvidos a seguridade pessoal, material e de informações, contratar serviços de tradução é imprescindível. Posto que, independente da língua apresentada, seja qual for o método utilizado, o principal responsável pelo conteúdo fornecido é a instituição ou o autor.

Anterior
Como fazer paráfrase num trabalho de pesquisa?
Próximo
Como orientar a próxima geração de pesquisadores acadêmicos?

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *