Como se adaptar aos diferentes estilos de aprendizagem de sua plateia

para_aprender_melhor_1__2013-10-18141313Quando se prepara uma apresentação, uma das primeiras perguntas que surge à mente é:  como tornar a exposição das minhas ideias interessantes? Como cativar a atenção daqueles que estão na plateia? Não existe um consenso sobre truques infalíveis para satisfazer o público numa apresentação e cada pesquisador certamente tem dicas sobre isso baseadas em sua experiência pessoal. No entanto, há um aspecto que muitas vezes foge à atenção e que influencia diretamente no apelo que o material exposto tem sobre a plateia: os diferentes estilos de aprendizagem adulta.

Os diferentes estilos de aprendizagem

Sim, as pessoas possuem estilos aprendizagem diferentes, o que interfere no modo como melhor absorvem informações. Isso significa dizer que quando você está fazendo uma apresentação ou conferência sobre sua pesquisa o método que usará para expor seus argumentos irá fisgar alguns membros de sua plateia mais do que a outros.

Os estilos de aprendizagem adulta mais comuns dividem-se em três grupos – o visual, o auditivo e o sinestésico –  sendo que cada um deles se apresenta de forma mais dominante nos indivíduos, diferenciando o modo como aprendem. Há ainda pessoas que apresentam mais de um estilo dominante.

Visual – no estilo visual aprende-se através da visão, como assistindo a um vídeo ou vendo uma imagem ou ilustração sobre o tema. Pessoas que possuem este estilo costumam usar expressões como “do modo como vejo isso…”.

Auditivo – no estilo auditivo aprende-se através da audição, como em palestras, uma vez que o pensamento é estruturado através de palavras. Pessoas que possuem este estilo costumam usar expressões como “pelo que entendi do que foi dito…”.

Sinestésico – no estilo sinestésico aprende-se fazendo, executando algo prático, “colocando a mão na massa”. São pessoas que tendem, por exemplo, a escrever o que escutam, uma vez que precisam de movimento e interação.

Como isso interfere em seu conteúdo?

Tendo em mente estes principais estilos de aprendizagem, é importante descentralizar o foco da estrutura da apresentação daquilo que você como expositor acha mais interessante e pensar numa forma equilibrada de satisfazer estas diversas demandas. Isso vale principalmente em apresentações para grandes públicos, nas quais o expositor tende a querer oferecer uma apresentação de impacto – com grande diversidade de informação, recursos tecnológicos ou muita interatividade – e muitas vezes esquece-se de questionar se a mesma será capaz de capturar a atenção da maioria. Diante deste conhecimento dos diferentes estilos de aprendizagem, o ideal é montar uma apresentação que seja clara, objetiva e que consiga coordenar apelos que satisfaçam aos três estilos.

Visual – aqueles de aprendizado visual respondem melhor a expressões faciais e linguagem corporal, por isso, vale investir em contato direto com a plateia em determinados momentos, ao invés de limitar-se a ler materiais. As pessoas que apresentam aprendizado visual também se engajam melhor quando se faz o uso de imagens, gráficos, tabelas ou diagramas, logo, você pode dinamizar sua apresentação para este tipo de público inserindo informações neste tipo de estrutura de caráter visual.

Auditivo – aqueles de aprendizado auditivo respondem melhor a variações de tom e velocidade de voz, mais uma razão para evitar apenas ler materiais e dirigir-se diretamente ao público em determinados momentos. Procure também falar de forma clara, numa velocidade moderada e use o tom de voz para enfatizar partes relevantes de sua fala. Os aprendizes auditivos também gostam de estímulos como apresentações de gravação de áudio e tendem a ser bastante participativos na sessão de perguntas após a apresentação, por isso, controle seu tempo de modo a garantir este momento de interação.

Sinestésico – aqueles de aprendizado de estilo sinestésico respondem melhor a interações de ordem mais participativa, como representação, demonstrações práticas e solicitações diretas feitas ao público. Estes tipos de apelo, no entanto, costumam demandar um maior tempo de apresentação para que possam ser postos em prática, então é importante estar atento a este aspecto.

Embora cada indivíduo geralmente possua um estilo de aprendizagem dominante, a variação entre recursos que apelem aos três estilos numa única apresentação confere dinamismo à sua exposição, fator sempre fundamental para prender a atenção do seu público por mais tempo.

Anterior
Como escrever uma proposta para conferência
Próximo
Utilizando Mídias Sociais na pesquisa acadêmica

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *