Como criar gráficos, diagramas ou imagens com precisão num artigo acadêmico

grafico_EnagoGeralmente o uso de ilustrações em textos costuma conferir leveza à fruição do conteúdo, porém, a exploração de recursos visuais num artigo acadêmico não pode ocorrer condicionada apenas por fins estéticos. Antes de mais nada, o uso de gráficos, diagramas ou imagens em trabalhos acadêmicos deve ser guiado por uma finalidade específica, cujo objetivo principal é melhorar a compreensão do conteúdo apresentado. A seguir, algumas dicas sobre como e quando usar estes recursos visuais num artigo acadêmico ou em outros trabalhos do gênero.

Quando usar

Ao invés de simplesmente aferir leveza à fruição do conteúdo, gráficos, diagramas ou imagens devem ajudar a interpretá-lo no contexto acadêmico. Enquanto diagramas e imagens devem ser usados para explicar teoria e conceitos complexos, gráficos ajudam a decifrar dados de alta complexidade, tornando a informação visual. Os três recursos objetivam facilitar a compreensão do conteúdo e podem ser aplicados com este fim em trabalhos das mais diversas áreas de conhecimento.

A primeira coisa que deve ser feitar antes de explorá-los é perguntar-se se eles serão úteis ao esclarecimento de porções de conteúdo do seu trabalho. Caso sejam apenas acessórios – ou seja, uma redundância textual – ou caso o resultado final da sua ilustração não seja satisfatório para ajudar a decifrar o conteúdo apresentado, é melhor não investir nestes recursos. Para certificar-se de que uma ilustração é útil para compor sua argumentação, vale solicitar a opinião de seu supervisor ou orientador. E para produzir um conteúdo visual de qualidade, uma pesquisa sobre quais programas e recursos estão à sua disposição para realizar esta atividade pode ser de grande auxílio.

Outra observação importante é que gráficos, diagramas e imagens não têm como finalidade substituir porções de textos, mas sim esclarecê-las; deste modo, cada um destes recursos. quando usados, devem estar relacionados a uma parte específica da sua argumentação e nela devem ser citados para facilitar a leitura do seu texto.

Como usar

Como dito anteriormente, gráficos, diagramas ou imagens devem estar relacionados diretamente às porções de conteúdo que pretendem ilustrar, ajudando em sua interpretação, por isso devem ser de preferência apresentados logo antes ou logo depois destas passagens de texto. Caso as diretrizes para produção do seu artigo acadêmico só permita a apresentação de conteúdo visual nos anexos do trabalho, certifique-se de numerar as ilustrações corretamente e de citá-las estrategicamente na parte do texto à qual se referem.

É fundamental também dar títulos às suas ilustrações, a fim de que elas possam ser facilmente identificadas e de que seu propósito fique claro aos leitores do seu texto. Uma coisa importante para facilitar a leitura de gráficos, diagramas ou imagens é não tentar cruzar muitas informações distintas nestas figuras para não confundir o leitor. Lembre-se que o objetivo destes recursos é facilitar a interpretação de informações complexas, por isso as imagens devem ser visualmente claras e seu conteúdo não pode dar margem a interpretações equivocadas. É importante também ter atenção ao emprego de cores nas figuras, particularmente em diagramas e gráficos, nos quais cores distintas tendem a diferenciar informações. Por isso, além de um título, essas imagens também devem vir acompanhadas de uma legenda que guie o leitor.

Embora a única finalidade do uso de recursos visuais num artigo acadêmico não deva ser a questão estética, é sempre algo bem-vindo quando se utiliza este tipo de recurso para quebrar a monotonia do texto, intercalando as gravuras com o conteúdo quando possível. Por fim, é fundamental lembrar que, no quesito citações, o emprego de gráficos, diagramas ou imagens segue os mesmos critérios do conteúdo textual: caso sejam empregados conteúdos visuais de outras fontes, as mesmas devem ser citadas na bibliografia do trabalho.

Anterior
Qual a relevância e implicações do Journal Cited Half-Life?
Próximo
Como citar uma entrevista num artigo acadêmico

Escreva seu comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *